Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 2.6/5 (2316 votos)

ONLINE
1





Total de visitas: 485694

TDAH- um transtorno camuflado

TDAH- um transtorno camuflado

   

                                            

 

 

Por Profa. Dra. Edna Paciência Vietta

 

    Nossa experiência como psicoterapeuta tem nos mostrado que a maioria dos adultos com características de TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) buscam ajuda na psicoterapia quando apresentam Transtornos de Ansiedade (Fobia Social, Transtorno Obsessivo-compulsivo, Pânico, Depressão), Transtorno Bipolar (transtorno de humor depressão e/ou euforia), alcoolismo, dependência química, e outros quadros.

    O TDAH em adultos tem sido visto como uma doença camuflada, devido ao fato de os sintomas serem mascarados, ocorrendo problemas de relacionamento afetivo e interpessoal, falta de organização, problemas de humor, abuso de substâncias, ou seja, problemas caracterizados por comorbidades (presença simultânea de dois ou mais transtornos num mesmo período de tempo).

    Estudos demonstram que o portador de TDAH apresenta o distúrbio desde a infância, ou seja, o distúrbio esteve sempre presente, persistindo na vida adulta com comprometimento significativo na vida acadêmica, profissional, conjugal, familiar e social. As queixas apresentadas pelo portador de TDAH estão geralmente impregnadas de fatos e acontecimentos que nada mais são que prejuízos ou conseqüências advindas do fato de o transtorno não ter sido tratado na infância. Essas queixas se manifestam através de crises conjugais, divórcios, dificuldades em se fixar no emprego, incapacidade de terminar o que começam (o sujeito requer pressão para concluir tarefas), dificuldades em estabelecer prioridades, desorganização e procrastinação. Os portadores de TDAH estão sempre em busca de novidades e grandes emoções, trocam de tarefas continuamente, ou seja, tem necessidade de variar. São pessoas desatentas, com dificuldades em se definir por uma profissão, desmotivadas, inconstantes nas relações, fazem muitos planos, mas não concluem nenhum. São pessoas de muito potencial, às vezes, de muita criatividade, mas, pouca realização, apresentam dificuldade de concentração, descontrole financeiro (gastos excessivos), impulsividade, sensações subjetivas de inquietação, impaciência, baixa tolerância à frustração, baixa autoestima, hipersensibilidade às críticas; irritabilidade, preocupação excessiva, dificuldades para pensar e se expressar com clareza.

     O TDAH adulto tem, como uma de suas características, alterações nos sistemas de recompensa. Atividades que tenham componentes repetitivos ou pouco estimulantes que em pouco tempo se tornam intoleráveis, detonando a busca por maior estimulação - especialmente quando combinada com a impulsividade. 

    Apesar de serem identificadas numerosas semelhanças entre as características de comportamento nas crianças e em adultos com TDAH, foram feitas várias distinções sendo uma delas a redução em níveis globais de hiperatividade entre adultos. Adultos com TDAH não se dão conta quanto a suas dificuldades de atenção, mesmo porque sempre foram dispersos e desatentos, erram repetidamente, perdem coisas, têm dificuldades para se lembrar o que acabam de ler, necessitam perguntar várias vezes a mesma coisa e, evitam leituras que não sejam de interesse específico. São também, capazes de dormir ou desligar diante de assuntos que não lhe interessam diretamente. Preferem atividades rápidas e trabalhos práticos. Preferem se dedicar às atividades que exigem pouca atenção e concentração, mostrando uma clara dificuldade para conseguir o mínimo de concentração suficiente para manter qualquer tarefa.

  O diagnóstico é basicamente clínico sendo de grande importância, a história da pessoa, a ser investigada cuidadosamente, através de entrevistas com um ou mais membros da família, pois é bastante comum a falta de atenção desses pacientes até mesmo para o próprio comportamento.

    A vida escolar é fator importante na avaliação diagnóstica devendo ser adequadamente examinada, no entanto, embora não raro, a pessoa bem dotada intelectualmente possa compensar o déficit da atenção e ter bom rendimento nos estudos. O transtorno nem sempre impede de forma absoluta a concentração, alguns indivíduos são capazes de um bom desempenho na área do trabalho, porém à custa de muito esforço compensatório, estabelecimento de algumas estratégias de funcionamento e de alto grau de interesse, enquanto que, em outros momentos, a atenção possa falhar de forma significativa.

    Para o diagnóstico, é importante lembrar que o TDAH é uma condição que acompanha a pessoa desde a infância, ou seja, ninguém fica TDAH depois de adulto.

    Cabe lembrar ainda, a possibilidade de uma gama variável de intensidade do quadro clínico, indo desde casos leves ou discretos até casos graves com intenso comprometimento funcional.

    No caso de adultos casados, com freqüência algumas intervenções necessitam ser realizadas com o cônjuge. Existem também, várias recomendações que podem ser fornecidas ao paciente de acordo com cada caso em particular, que amenizam suas dificuldades no dia-a-dia. A terapia recomendada é associação de Técnicas Cognitivo-Comportamentais e tratamento medicamentoso. 

                                         Profa. Dra. Edna Paciência Vietta

                                   Psicóloga Cognitivo-comportamental Ribeirão Preto